sábado, 6 de agosto de 2011

Agência de avaliação de risco financeiro baixa nota da dívida dos EUA



05/08/2011

A agência de avaliação de risco financeiro Standard and Poor's (S&P) reduziu nesta sexta-feira (5) a nota da dívida pública dos Estados Unidos, algo inédito na história. A qualificação do crédito americano passou de "AAA" para "AA+", diante da crescente dívida e do pesado déficit no orçamento.



A S&P também assinalou a "perspectiva negativa" da nova classificação, um sinal de que outro rebaixamento da nota é possível nos próximos 12 a 18 meses. Paralelamente, fontes do governo envolvidas nas negociações apontaram falhas "profundas e fundamentais" na decisão.
Em comunicado, a Standard & Poor's disse que o rebaixamento foi motivado pelo plano de consolidação que o Congresso e a administração aprovaram recentemente e que ficaria "aquém do que é necessário para estabilizar a dinâmica do débito do governo a médio prazo".

Os títulos do Tesouro dos EUA, uma vez vistos como o investimento mais seguro do mundo, estão classificados agora abaixo de títulos emitidos por países como Reino Unido, Alemanha, França ou Canadá.
Correspondentes afirmam que o rebaixamento pode corroer ainda mais a confiança dos investidores externos na economia americana, que já enfrenta dificuldades para sair da recessão, com enormes dívidas e uma taxa de desemprego de 9,1%, considerada alta para o país.

Nesta semana foram registradas quedas em vários mercados em meio a uma crise de confiança sobre a resposta da zona do euro para a crise e a lentidão da recuperação das economias europeias e americana.

Mais cedo, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, tentou tranquilizar os mercados globais, dizendo que "as coisas vão melhorar".

Dívida dos EUA

Obama sancionou no começo da semana a lei que elevou o limite da dívida pública do país--atualmente em US$ 14,3 trilhões. Com a mudança, os EUA poderão honrar seus compromissos financeiros e evitar um potencialmente catastrófico calote pela maior economia do mundo. Mesmo assim, não foi suficiente para evitar o rebaixamento da S&P.

O Senado dos Estados Unidos tinha aprovado o projeto de lei na tarde de terça-feira (2).
A lei é resultado de um acordo entre parlamentares republicanos e democratas, após meses de intenso debate e às vésperas do fim do prazo para o calote --meia-noite de terça-feira.

O acordo permite elevar o teto da dívida pública norte-americana em pelo menos US$ 2,1 trilhões em três passos --sendo os primeiros US$ 400 bilhões imediatamente, seguidos de US$ 500 bilhões até fevereiro. Ele prevê, ainda, cortes de cerca de US$ 2,4 trilhões em 10 anos, que seriam aprovados pelo Congresso em duas etapas --um corte inicial de US$ 917 bilhões na aprovação do acordo e mais US$ 1,4 trilhão até o final do ano.

O impasse de meses bloqueou o sistema político dos Estados Unidos, alarmou seus aliados internacionais, sacudiu os mercados financeiros e prejudicou a imagem do país no exterior.

Negociação

Líderes de ambos os partidos trabalharam furiosamente para convencer suas bancadas sobre o acordo obtido com Obama no fim de semana com o objetivo de encerrar um impasse que abalou a fé dos norte-americanos em suas instituições políticas.

O plano exige cortes de gastos ao longo de 10 anos, mas sem a imposição de nenhum novo imposto, a criação de uma comissão parlamentar que recomendará, até o fim de novembro, um pacote mais específico de redução do déficit e eleva o limite de endividamento do país até 2013.

Obama e muitos parlamentares admitiram que o projeto acordado não era perfeito. Mas ressaltaram que ele era necessário para evitar um calote pelo governo.

"Foi um processo longo e confuso e, como todo compromisso, o resultado está longe de ser satisfatório", disse Obama em uma mensagem de vídeo transmitida a seus seguidores por sua campanha de reeleição. "Mas também lançou um importante debate sobre como lidar com os grandes desafios que enfrentamos."

Matéria Completa no UOL

Gostou? Não? Comente!

2 comentários:

Paulo Dandrea disse...

detalhe:
Oficialmente a qualificação de crédito americano passou de "AAA" pra "AA+"

Mas legitimamente o fator principal pra esse tipo de qualificação se deve ao crédito que os investidores dão, em termos de confiança, aos créditos... enfim.

E esse valor legítimo, real, o que conta mesmo, está um "D".. e nao "AA+".

Ou seja, desde o começo da crise americana até agora, passou de "AAA" para "D"...

Pedro Mello disse...

Claro, mas temque ser aos pouquinhos ehehehe

Tecnologia do Blogger.

Parceiros

alt text
alt text

Seja um Parceiro!


Autores

Postagens + populares de todos os tempos

Postagens + populares do mês

Postagens + populares da semana

política religião conspirações humor artes sexo playboy futebol corinthians lula obama mubarak illuminati euro dolar new world order