sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Direita? Onde? No Brasil?

Procura-se um partido de direita
Publicado em 15/03/2010 | André Gonçalves

Entrevistei há duas semanas o economista da velha guarda Carlos Lessa, presidente do BNDES no primeiro ano do governo Lula e um dos gurus do governador Roberto Requião. Lessa sabe muito sobre outros dois economistas – foi professor de Dilma Rousseff na Uni­­­camp e amigo íntimo de José Serra no exílio do governador no Chile. Qual diferença ele vê entre os dois? Nenhuma.

Ouvi outras 13 fontes sobre os sete assuntos mais quentes que serão tratados na próxima eleição. Gente de direita e de esquerda. Novamente, ninguém polarizou ideologicamente os principais candidatos em qualquer tema – do papel do Estado na economia às propostas para o meio ambiente.

Lessa, referência da esquerda desenvolvimentista, prevê uma campanha pífia de ideias, superficial. Para ele, cada candidato vai ficar falando das maravilhas feitas pelas suas gestões em Brasília e São Paulo. E o PT vai tentar colar na testa do PSDB a pecha de privatista, como já fez nas duas eleições anteriores com sucesso. A questão é que, originalmente, Serra é tão de esquerda quanto Dilma. E que agora ambos dividem uma centro-esquerda que virou o consenso ideológico do país. In­­­felizmente, acabou a pluralidade.

A culpa é da própria direita. O esfacelado Democratas, antigo Partido da Frente Liberal, até tentou criar uma nova identidade nos últimos anos. O esforço não enganou ninguém – a juventude pefelista é formada pelos descendentes dos mesmos oligarcas de sempre. O tiro de misericórdia na legenda foi o mensalão do Distrito Federal.

Sem o DEM, quem sobra? Até o Partido Progressista , herdeiro legítimo da velha Arena, forma a base governista. O Partido da Repú­blica (antigo Partido Liberal), do vice-presidente José Alencar, também é lulista de carteirinha.

Não precisa ser muito inteligente para juntar todas essas informações e dizer: a direita brasileira morreu. Também não é novidade porque ela vem morrendo faz tempo, desde o final da ditadura militar. É sempre bom ressaltar: o enterro dessa direita rançosa é interessante, o ruim é que ninguém tenha ocupado esse espaço.

Na semana passada, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso inovou ao defender o liberalismo. Disse que o Brasil precisa decidir que tipo de capitalismo vai escolher. Se será um capitalismo “burocrático, corporativo” e com um Estado “mandão” ou um capitalismo de “competição”. Em outras palavras, explicou que ser liberal não é feio nem significa ser contra o Estado. É defender as liberdades individuais, o direito à competição, a redução dos impostos. Hoje não há qualquer legenda de credibilidade que pregue esses conceitos.

A briga é para saber como manter ou ampliar a máquina arrecadatória, o tamanho das empresas estatais, a regulação da imprensa e tantas outras regras para emparedar a vida do cidadão. Dilma e Serra estão de acordo em quase todos esses temas, com diferenças bem sutis. O que ninguém se preocupa é em mostrar como melhorar as questões mais simples.

É até coerente para a centro-esquerda dominante pensar em aumentar a participação do Estado na economia. O que é estranho é que esse mesmo Estado ainda está a anos-luz de distância de cumprir as suas três funções básicas – garantir educação, saúde e segurança de qualidade. É como falar mal do vizinho sem cuidar do próprio quintal ou não fazer a lição de casa e dar uma de professor. Parece lógico, mas não é. A pena é que não haverá discussões desse nível na próxima eleição.

Por mais feio que isso possa parecer no Brasil e na atual América Latina, estamos precisando de um partido de direita. Vaga é o que não falta.


Gazeta do Povo
Gostou? Não? Comente!

6 comentários:

Cogumelo disse...

Parece que eles colocam etiquetas de burros nas nossas testas.

Universo Paralelo disse...

sim, eles colocam pq a gente aceita

COGUMELO disse...

Agente aceita? é, aceitamos.

O fóda é que quando somos crianças, agente tem uma educação tão ruim que agente não tem nem noção do que está rolando no mundo.
Ai, se tivermos sorte, mais tarde, mais adultos, começaremos a perceber o lixo que nos consome. Só que não achamos pessoas que brigassem ao nosso lado.E sabemos o quanto é dificil ganhar essa luta sozinhos.. ai acabamos desistindo.
Bom, isso foi o que aconteceu antes da internet.. Aqui, agora, está bem mais facil localizar informações, e formar grupos com mesmos interesses. EU nao dou 10 anos pra que agente tenha uma transformação ética tão forte que não temos como medi-la atualmente.
Hj em dia, com a internet, as coisas vao ficando mais claras, as informações vao chegando.. daqui a pouco, os politicos, por exemplo, terao medo de fazer "coisas feias".. todo mundo sabe que o humano só faz coisa feia quando nao tem ninguem olhando...

cogumelo disse...

será que ninguém pode colocar um capitalismo de competição?

Universo Paralelo disse...

eu acho mais provável que tentem podar a internet pra continuar fazendo "coisas feias"

PRGD disse...

óbvio!

Blog Archive

Tecnologia do Blogger.

Parceiros

alt text
alt text

Seja um Parceiro!


Autores

Postagens + populares de todos os tempos

Postagens + populares do mês

Postagens + populares da semana

política religião conspirações humor artes sexo playboy futebol corinthians lula obama mubarak illuminati euro dolar new world order